Privatização de estatais é ataque à soberania nacional, acusam petistas

Parlamentares petistas criticaram pelas redes sociais a decisão do governo Bolsonaro de privatizar 17 estatais, anunciada nesta quarta-feira (21) pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo os parlamentares, a ação é um ataque à soberania brasileira e ao desenvolvimento do País.

Segundo declarações de Jair Bolsonaro à imprensa, a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Correios) será a primeira da fila das privatizações. Também estão na lista outras empresas estratégicas como a Eletrobras, Telebrás, Serpro, Dataprev, EBC e Casa da Moeda.

Para a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR), as privatizações anunciadas são um ataque à soberania do País. “Das 17 empresas que serão privatizadas pelo governo destruidor de Jair Bolsonaro, estão algumas estratégicas, como Serpro, Dataprev e Correios. Como Bolsonaro não entende nada de nada, Guedes segue solapando nossa soberania”.

O deputado Helder Salomão (PT-ES), presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara também afirmou que “Bolsonaro colocou o Brasil à venda, em liquidação”. Já o deputado José Guimarães (PT-CE) disse que Bolsonaro “está vendendo o Brasil a preço de banana”. “Essa é a hora dos verdadeiros patriotas estarem de pé defendendo os interesses nacionais!”, conclamou.

O deputado Enio Verri (PT-PR) ressaltou que a venda das estatais vai prejudicar o desenvolvimento do Brasil. “Deu a louca no gerente, Brasil em liquidação. Bolsonaro e o ministro da Economia, Paulo Guedes, decidiram vender 17 estatais como se fossem deles e não da sociedade. Empresas estratégicas serão entregues ao desenvolvimento de outros povos, enquanto o Brasil investe no atraso”, escreveu em sua conta no Twitter.

A deputada Natália Bonavides (PT-RN) ressaltou que “defender as empresas públicas é defender a soberania nacional”. “Caso sejam confirmadas as privatizações anunciadas por Guedes, viveremos um desastre! O Brasil perderá o controle de setores estratégicos, como a energia. Trata-se da entrega da autonomia energética do País!”, alertou no Twitter.

Sobre as privatizações, o deputado Afonso Florence (PT-BA) explicou que essa é uma estratégia de Jair Bolsonaro se manter no poder. “Bolsonaro perde popularidade por causa da política econômica que gera desemprego e queda do poder aquisitivo dos salários, mas, se sustenta no governo, apesar das robustas evidências de crimes, pela queima de ativos do povo brasileiro pelas privatizações”, escreveu.

O deputado Leonardo Monteiro (PT-MG) disse em sua rede social, que a venda de estatais vai deixar o povo nas mãos do mercado. “A cada hora uma notícia escabrosa desse desgoverno. Está dada a largada para a entrega do Brasil, deixando o consumidor à mercê do mercado”.

Ao analisar o impacto das privatizações, o deputado Carlos Veras (PT-PE) lembrou do trecho de uma música do roqueiro Raul Seixas, que morreu há exatos 30 anos, no dia 21 de agosto de 1989. “Eletrobras, Correios, Serpro, Casa da Moeda, EBC. Inacreditável. Há exatamente 30 anos, morria o grande Raul Seixas, suas letras estão mais atuais do que nunca: “Tá tudo pronto aqui é só vim pegar, a solução é alugar o Brasil”.

O deputado Joseildo Ramos (PT-BA) também escreveu que “a solução deste Governo foi alugar o Brasil”.

Correios
Vários parlamentares criticaram especialmente o anúncio da privatização dos Correios, escolhida por Jair Bolsonaro para inaugurar o período de liquidação das estatais.

Em um vídeo postado no Twitter, o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) disse que a privatização dos Correios vai limitar o acesso do povo brasileiro aos serviços postais. “Vamos à luta contra a privatização dos Correios. A venda dessa empresa compromete a integração nacional e limita o acesso a serviços essenciais que a empresa leva como função social em sua história há mais de três séculos”.

O deputado Paulão (PT-AL) ressaltou que “Bolsonaro é um Presidente lesa-pátria” e que “a venda dos Correios é uma afronta à soberania nacional”. Na mesma linha, a deputada Maria do Rosário (PT-RS)também observou que “a privatização de empresas estratégicas como os Correios, significa entregar a soberania nacional”. “Poucos países do mundo privatizaram este serviço, e onde aconteceu a qualidade piorou e os preços dispararam”, alertou.

Por sua vez, o deputado Beto Faro (PT-PA) já adiantou seu voto contra a proposta de vender os Correios. “Eu voto contra a privatização da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, que está na lista das 17 estatais que serão privatizadas ainda este ano”.

Por PT na Câmara