Povo não é prioridade para Bolsonaro, e popularidade do governo despenca

Parlamentares da Bancada do PT na Câmara afirmaram pelo Twitter, nesta segunda-feira (29), que a queda vertiginosa de apoio ao governo de Jair Bolsonaro – desde a posse até o mês de abril – na última pesquisa Ibope, demonstra claramente que a população, principalmente os mais pobres, já perceberam que eles não são prioridade para o atual governo. Os comentários se baseiam em reportagem do jornal do Estado de S. Paulo, a partir de recente pesquisa do Ibope. O levantamento aponta redução maior da popularidade entre eleitores do Nordeste e os de baixa renda, principalmente das capitais.

No Nordeste, de cada dez eleitores que consideravam o governo bom ou ótimo, quatro já mudaram de ideia. Em outras regiões o ritmo da queda é menor. No Sudeste e no Sul, respectivamente, três e dois a cada dez deixaram de apoiar o governo.

Em relação aos mais pobres (que ganham até dois salários mínimos) que aprovavam o governo em janeiro, um terço já mudou de opinião. Entre os eleitores com renda superior a dois mínimos, apenas um quinto mudou de opinião.

A aprovação do governo Bolsonaro também caiu de forma significativa nas capitais. Segundo a pesquisa, em janeiro as taxas aprovação (ótimo ou bom) – nas capitais e no interior – estavam em 47% e 51%. Em abril, passaram para 30% e 37%, respectivamente.

Segundo o presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara, Helder Salomão (PT-ES), “a farsa da ‘nova política’ está desmoronando”.

Já o deputado Nilto Tatto (PT-SP) ressaltou que nem mesmo a mídia, que de forma velada ou explícita apoiou a vitória de Bolsonaro nas eleições, consegue esconder o fracasso do atual governo. “Mesmo os jornalões queridos das elites brasileiras não conseguem disfarçar o desastre, a mentira e a impopularidade do governo Bolsonaro”, afirmou.

O deputado Alexandre Padilha (PT-SP) também já percebeu a real intenção do governo Bolsonaro. “Aos poucos a maioria vai percebendo que a receita de Bolsonaro é antiga: joga o remédio amargo nas costas de quem mais precisa e mais trabalha”.

Sobre as ações propostas até agora pelo atual governo, o deputado Henrique Fontana (PT-RS)afirmou que o resultado da pesquisa não poderia ser diferente. “Com projeto antipovo e essa Reforma da Previdência que não combate privilégios e quer tirar do povo para dar aos bancos, não poderia ser diferente!”, afirmou.

Para o deputado Pedro Uczai (PT-SC), a população mais pobre já percebeu que o governo Bolsonaro está ao lado dos mais ricos. “O povo já sabe de qual lado Bolsonaro está: dos ricos, dos banqueiros e de Trump. Retirou o aumento real do salário mínimo e quer acabar com a aposentadoria dos mais pobres”, ressaltou.

Também comentaram a reportagem sobre a queda da popularidade do governo Bolsonaro o líder da Bancada do PT na Câmara, deputado Paulo Pimenta (PT-RS), e os deputados Beto Faro (PT-PA) e Bohn Gass (PT-RS).

Por PT na Câmara