Lula respeitou Palestina e foi aplaudido de pé em Israel

Em 2010, Lula foi o primeiro presidente brasileiro a visitar o Estado de Israel. Antes dele, apenas D. Pedro II havia passado pela região, em 1876, bem antes da criação de Israel, em 1948. O ex-presidente brasileiro teve encontros em Israel, na Cisjordânia e na Jordânia. Encontrou-se com o então presidente israelense, Shimon Peres, e com o primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu.

Mas também se reuniu com Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Nacional Palestina, com empresários brasileiros e israelenses. Na pauta, aumentar as relações bilaterais com israelenses, palestinos e jordanianos, assim como promover o Brasil como mediador do processo de paz na região, que estva estagnado desde 2008, quando o presidente palestino suspendeu o diálogo com o ex-primeiro-ministro israelense Ehud Olmert. Além disso, fez um discurso no Parlamento israelense, onde defendeu a existência de dois estados, Israel e Palestina, e foi aplaudido de pé.

Foi nesse contexto que o ex-presidente Lula concordou com o general Augusto Heleno: “Não tem comparação entre Lula e Bolsonaro”, conforme informa o blog do Ismael:

“A declaração do ministro-militar se deu neste domingo (31) no contexto da visita de Bolsonaro a Israel e quando jornalistas lembraram que Lula também tinha visitado a Palestina quando esteve na região em 2010. “Não comparem coisas heterogêneas”, pediu Heleno.

Preso político há quase 1 ano, Lula afirmou por meio de sua assessoria que general Heleno tem razão. “Não tem comparação entre Lula e Bolsonaro”, concordou o petista que explicou por que ambos são diferentes:

“Lula, um democrata, foi o primeiro presidente brasileiro a visitar Israel, e visitou também os territórios palestinos em 2010. No parlamento israelense defendeu a paz e a soberania tanto do estado de Israel e da Palestina. Respeitou os dois lados. Lembrou que judeus e árabes vivem no Brasil em paz. Foi aplaudido de pé.”

O facebook oficial de Lula aproveitou para publicar um vídeo da visita de Lula a Israel e Palestina, em 2010:

Assista ao vídeo: