Temer segue como o pior presidente da história, segundo Ibope

Seguindo a tendência de despencar na avaliação do eleitorado brasileiro, o golpista Michel Temer (PMDB), se mantem como o presidente mais mal avaliado e menos confiante da história do Brasil, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada nesta quinta-feira (28).

Entre julho e setembro, mês da última pesquisa, a aprovação de Temer foi de 5% para 3%. Dos entrevistados, 92% disseram não confiar no peemedebista e 89% não concordam com seu jeito de governar.

Os números mostram que o brasileiro tem sofrido as consequências nefastas da política neoliberal, entreguista e golpista do governo federal, que cassa os direitos trabalhistas e vende o patrimônio nacional para agradar o mercado e o empresariado.

Chegar aos 3% de aprovação mostra que nem o apoio da grande imprensa nem os investimentos milionários em publicidade podem enganar o povo brasileiro.

Tanto que a rejeição ao governo golpista subiu de 70% a 77%, segundo a CNI/Ibope. A maior queda de aprovação foi entre aqueles que possuem renda familiar mais alta.
Juros, saúde e segurança

A política de juros e impostos de Temer é o setor com maior reprovação entre os brasileiros: dos entrevistados, 87% e 90% desaprovam as políticas econômicas golpistas. 86% acreditam que a saúde no Brasil piorou, seguido de 85% que viram pioras nas áreas de segurança pública e combate ao desemprego.

Dentre as notícias mais associadas a Temer, estão a Lava Jato e a tentativa de extinguir a Reserva Nacional de Cobre e Associados (Renca) para liberar a exploração de minério na Amazônia. Como é de praxe, as políticas do peemedebista seguem sendo um desastre.
Futuro temeroso

Como se não bastasse a avaliação do momento atual, 72% dos entrevistados acreditam que o resto do governo Temer será péssimo. O levantamento foi realizado com 2.000 pessoas, em 126 municípios, entre os dias 15 e 20 de setembro.

Desde a última pesquisa CNI/Ibope, divulgada em julho, Temer tem índices piores que o até então mais mal avaliado presidente tinha: José Sarney, com 7%.

Da Redação da Agência PT de Notícias