Temer escapa de investigação, mas está enfraquecido

Um dia após a votação no plenário da Câmara que livrou o presidente usurpador Michel Temer e dois de seus ministros de serem investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o líder do PT na Câmara, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), avalia que o governo golpista sai mais enfraquecido e com dificuldade de rearticular base aliada para aprovar projetos como a reforma da Previdência.

Em coletiva à imprensa nesta quinta-feira (26), Zarattini fez um balanço da votação, e garantiu que a bancada petista segue firme na luta contra esses projetos de retrocesso de direitos e de ameaça à soberania nacional.

“O governo, às custas de muitos bilhões de reais, conseguiu se livrar mais uma vez de um processo de afastamento. Mas sai mais enfraquecido, em uma situação que tem dificuldade de rearticular a base, pois foi uma votação que extrapolou e muito os deputados da oposição. Mais de 100 deputados da base do governo votaram contrariamente”, explicitou.

Provas disso, segundo o líder do PT, são as dissidências dentro dos dois principais partidos de sustentação deste governo usurpador: o PMDB e o PSDB.

“O PSDB, principal partido que estava no governo, consolidou um posicionamento contrário ao governo dentro da sua bancada. O PMDB também com uma dissidência bastante grande, e vários deputados da base que votaram contra”.

Para ele, a base aliada se deteriora cada vez mais, pois não encontra respaldo na população.

“As bandeiras e as propostas desse governo são extremamente impopulares. Esse governo não tem condição de conseguir a simpatia da população. Como estamos nos aproximando da eleição, aos deputados é cada vez mais incômodo estar colado a esse governo, um governo que não tem popularidade alguma”, apontou.

Na avaliação de Zarattini, o placar da votação comprova que Temer terá dificuldade de aprovar projetos como a reforma da Previdência, “um assunto que tem uma rejeição enorme do povo brasileiro”.

Quanto à ação da bancada do PT na Câmara, Carlos Zarattini garantiu que os parlamentares seguem firmes contra a reforma da Previdência e contra outras medidas que os golpistas querem aprovar, como a mudança na lei da mineração, a mudança no FIES e a privatização da Eletrobras.

“Vamos reagir contra esses projetos e, principalmente, o grande projeto de privatização deles que é entregar a Eletrobras, Querem privatizar a Eletrobras o que vai levar a um aumento na energia elétrica violento para o povo brasileiro”, afirmou o petista.

Zarattini lembrou a luta dos parlamentares de oposição para obstruir a votação que enterrou a denúncia, com o objetivo de ter mais tempo para fazer o debate e convencer os deputados a votarem contra Temer.

Mas reforçou que o próprio governo atuou para que mesmo aqueles deputados que votaram contra Temer dessem quórum.

“Foi uma ação que o governo tomou não só para que houvesse votos a favor, mas que mesmo os que votassem contra, comparecessem a dar presença. E, com isso, apesar da gente ter esticado por oito horas o processo, eles conseguiram obter o quórum de 342”.

Da Redação da Agência PT de Notícias