Quem afere o aferidor?

Blogs que se prestam ao jornalismo são veículos de comunicação tocados, teoricamente, por jornalistas, formados ou autodenominados. Seja como for, um dos princípios dessa nobre profissão é não acreditar em toda informação que se recebe, sem antes apurar a veracidade do seu conteúdo. A desconfiança do jornalista é a garantia de algo imprescindível para a manutenção da sua profissão, a credibilidade.

O produto comerciado pela atividade é a informação. Ela, sem qualificação, gera descredibilidade, que pode significar a morte profissional. Ninguém gosta de consumir informação desqualificada. Porém, ao que parece, alguns jornalistas do Paraná não estão tendo o devido cuidado com esse bem tão caro. A falta de atenção, por enquanto, não pode ser atribuída à má fé. Pode ser em decorrência da falta de tempo, ou de incapacidade para aferir dados recebidos ou copiados de outros veículos.

Não se sabe o motivo, mas vários jornalistas “independentes” do Paraná passaram a replicar uma pesquisa mal feita, produzida pelo site políticos.org.br. O site se apresenta como uma régua capaz de medir os parlamentares do Brasil, como melhores ou piores. Segundo ele, suas análises incentivam a melhora no panorama político, pois balizarão melhor o voto do brasileiro. De acordo com os desenvolvedores do site, a meta é oferecer informações objetivas.

Mas, quando se analisa os resultados das pesquisas, percebe-se que, na verdade, o critério de qualificação dos parlamentares é não ter critério. Ou, então, o critério deve ser tão subjetivo que seria necessário uma análise bem mais aprofundada sobre os resultados. Senão, vejamos. O Conselho de Avaliação de Leis é o responsável por avaliar o posicionamento do parlamentar nas principais votações. O site não especifica, segundo seus critérios, quais são as principais votações do Congresso Nacional.

Para qualificar o voto parlamentar, o supracitado Conselho leva em consideração, principalmente [sic], o combate à corrupção, aos privilégios e ao desperdício de recursos públicos. Dentre as centenas de votações no Congresso Nacional, o site julgou importantes, para efeito do referido ranqueamento, as seguintes proposições: reforma do Ensino Médio, reforma trabalhista e a 1ª denúncia contra Temer. É curioso como os pontos estabelecidos para as matérias votadas foram distribuídos a parlamentares do Partido dos Trabalhadores (PT) e ao Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB).

Os cinco tucanos mais bem colocados votaram sim para as duas primeiras propostas e não para a segunda. Os cinco receberam pontos positivos dos analistas do site. Já os cinco petistas mais bem colocados, votaram não para as duas primeiras propostas e sim para a terceira. Pelo posicionamento, os petistas receberam notas negativas. O Placar é esquizofrênico. A pontuação entre os cinco tucanos varia de 186 a 219. Já a pontuação entre os petistas varia de -68 a -45, do pior para o melhor.

Não se encontra no site os critérios estabelecidos pelo grupo de analistas, pelos quais se podem levar em consideração, principalmente [sic], o combate à corrupção, aos privilégios e ao desperdício de recursos públicos numa votação de sim ou não, para a reforma do Ensino Médio e a reforma trabalhista. O que tem a ver um voto contra, ou favorável, para alguma dessas matérias, em relação ao combate à corrupção, aos privilégios, ou ao desperdício de recursos públicos? O site não esclarece essa questão.
Na votação sobre a 1ª denúncia contra Michel Temer, o site dá um nó no cérebro de quem se aventurar na análise da qualificação dos votos dos parlamentares. O deputado mais bem qualificado do ranking geral do site, um tucano, votou sim à rejeição da denúncia. Pelo posicionamento, ele recebeu nota -5. Já um parlamentar petista, que votou contra a rejeição da denúncia, também recebeu nota -5 e está em 566º lugar no quadro geral de ranqueamento definido pelo site. Vá entender.

Bem pior que um site de pesquisas cuja metodologia não tem o menor rigor científico e os critérios de avaliação são disparatados, é a existência de blogs “jornalísticos” que não se prestam a uma averiguação superficial de informações que lhes chegam. Isso é preocupante, pois expõe toda a sociedade a informações inverídicas.

Os blogs https://goo.gl/5Tj6QK, https://goo.gl/h63W46, https://goo.gl/jwhcvj, https://goo.gl/qSM6tE, https://goo.gl/txzBKN, prestariam um serviço bem mais digno à sociedade se se prestassem a perscrutar as informações que lhes são oferecidas. Credibilidade é muito simples de se perder, mas quase impossível de se reaver.

PT Maringá